24 de abr de 2015

Tipos de intercâmbio - PARTE 1

Eu disse que viria escrever sobre tipos de intercâmbios, e aqui estou.
Geralmente acham que é muito difícil sair do país e fazer um intercâmbio, sempre acham que é muito caro, mas nem sempre é assim, existem tantos jeitos de realizar esse sonho. Eu vou falar um pouquinho de alguns tipos que eu conheço. 

Indicado para: 
  • Pessoas que querem ter uma experiência internacional mas não querem parar os estudos;
  • Para quem já fala bem a língua do país escolhido.

Acho que todo mundo já ouviu falar ou conhece alguém que viajou através do CSF. Eu acho que é um ótimo jeito de juntar viagem + estudos, porém sei de muitos brasileiros que vão com a finalidade de ganhar o valor da bolsa e viajar. Acho ótimo aproveitar e conhecer outros lugares também, mas acho que o foco desse intercâmbio tem que ser os estudos. Também já li muitos relatos de brasileiros que vão sem ter o domínio da língua. Claro que o aperfeiçoamento vai vir com o tempo e com muitas aulas assistidas, mas é fundamental que você consiga acompanhar as aulas.
O governo dá um valor bom por mês que é para gastos com comida, aluguel, contas e sempre sobra um pouco para fazer o que quiser.




2 - Trabalhar em cruzeiros.
Indicado para: 
  • Juntar dinheiro;
  • Pra quem têm muita força de vontade para trabalhar;
  • Pra os que têm uma reserva financeira para investir no curso que é necessário fazer em SP, e com outras despesas até o dia do embarque.
  • Pra conhecer muitos lugares - mas não explorar tanto assim, pois tem tempo máximo para ficar fora do navio - normalmente 10 horas.
  • Necessário ter um domínio básico do inglês.

Tenho muitos amigos que trabalham em cruzeiros e a única coisa que me vem na cabeça é: Meu Deus! Como eles aguentam trabalhar de segunda a segunda, mais de 10 horas por dia? Você vai ganhar bem, mas vai trabalhar muito para isso, eu disse MUITO, e vai viver em um mundo aparte.
Eu costumo dizer que para aguentar o tranco, você precisa ter um foco do que fazer com o dinheiro e seguir em frente, firme e forte!
Dá para conhecer muitos lugares também, porém tem tempo máximo para aproveitar fora do navio, assim não da para ir muito longe e se perder pela cidade.
Eu, pessoalmente, não conseguiria, acho que a gente precisa de tempo livre, esse ritmo não seria para mim.

Ps: Esse é o site de uma empresa que seleciona brasileiros para trabalhar em navios de cruzeiros das empresas Royal Caribbean, Pullmantur, Costa e Starboard.



3 - Working Holiday - Nova Zelândia.
Indicado para:

  • Pessoas com até 29 anos;
  • Querem ter experiência no exterior e trabalhar ao mesmo tempo;
  • Aventureiros.
Minha irmã foi morar na Nova Zelândia através desse visto, então resolvi pedir para ela escrever um pouquinho sobre como ir.
Ela não tinha uma grande reserva financeira, e não falava um inglês muito bom, mas foi na coragem e já faz mais de um ano que está lá. Já viajou, conheceu muitas pessoas, trabalhou com muitas coisas e ainda segue a batalha de viver longe de tudo e de todos.

"Quando decidimos fazer um "intercâmbio" junto com a decisão vem um monte de dúvidas. Acho que a primeira delas é: Qual país eu escolho? Logo em seguida vem a solução: comprar um curso para ganhar visto. NEGATIVO.

Comigo foi um pouco diferente. 
Eu optei pela Nova Zelândia porque tenho um primo que mora aqui há muitos anos. As vezes achamos que é a solução, mas com o passar do tempo vemos que cada um vai seguindo a sua vida, muito trabalho - mas é ótimo saber que tem alguém conhecido pra qualquer emergência. Nos dá a segurança de saber que estamos indo para algum lugar que tem um familiar. Outras pessoas não ligam para isso, mas para mim isso foi um grande incentivo.
Bom, voltando ao assunto:VISTO.
Eu não tinha muita grana (aliás, eu estava praticamente zerada quando optei em viajar) e por isso fazer um curso de inglês estava fora de cogitação. Comecei a pesquisar sobre vistos e cheguei ao tal " WORKING HOLIDAY".

Que visto é esse?


- São apenas 300 vagas para brasileiros e as inscrições são abertas em setembro. (dá pra preencher alguma coisa antes da abertura. Seja esperto)
- É um visto pra quem tem no máximo 29 anos;
- É um visto aberto no qual você pode trabalhar do que quiser e em qualquer cidade da NZ;
- Você só pode ficar legalmente no máximo 3 meses em cada emprego;
- Máximo de 1 ano de visto.
- Não é obrigatório ter passagem de volta desde que você comprove que tenha dinheiro para comprar se necessário.

O intuito desse visto é viajar pelo país pra depois decidir em qual cidade você vai ficar.
O lado negativo desse visto é pra quem não sabe NADA em inglês fica complicado ir mudando de cidade. É natural que quando você chega em um país você acabe procurando a sua tribo. Pessoas que falem o mesmo idioma que você, que tenham os mesmos gostos, hábitos e por isso acabamos ficando na mesma cidade até o WHV acabar (aconteceu comigo).
Por isso, quem pegar esse visto, não se prenda. Supere os medos, saia da zona de conforto, viaje, mas viaje muiiiito, trabalhe e viaje em seguida.
Vale lembrar também que não é necessário fechar com uma agencia de viagens. Você mesmo pode comprar a passagem pelo site e viajar. Não tem nenhuma burocracia. " 

Jéssica Philippsen 
@jeh_philippsen

Fotos da minha irmã na Nova Zelândia.




Que esse post seja o primeiro gatilho para novas pesquisas e um futuro embarque.
Ainda escreverei outros posts com outros tipos de intercâmbio.
Espero que tenham gostado. Qualquer dúvida é só me escrever.

Beijo grande e um ótimo final de semana.

4 comentários:

  1. amei o post. se vc não se importa, publiquei na página do face do meu trabalho (assessoria internacional de um instituto federal).
    beijos

    ResponderExcluir
  2. Seu post ficou muito bom! Espero algum conseguir fazer alguma coisa dessas, amo viajar! Beijos
    www.luzesdefevereiro.com.br

    ResponderExcluir
  3. Jamais trabalharia em navio. Escravidão pura, exploração e ninguém tem tempo de ficar passeando. Quem trabalha em navio e fala que gosta está mentindo.

    ResponderExcluir